Defendida por Flávio Dino, a renúncia de Jair Bolsonaro é rejeitada pela maioria dos brasileiros

0
1511

Até mesmo na região Nordeste, onde os nove estados são governados por opositores do presidente, renúncia é rejeitada

AQUILES EMIR

Tese defendida, dentre outros políticos, pelo governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), a renúncia do presidente Jair Bolsonaro em meio ao enfrentamento do coronavírus é rejeitada por 59% dos brasileiros, segundo pesquisa do Datafolha divulgada neste domingo pela Folha de São Paulo. Semana passada, um grupo de políticos de oposição, incluindo os ex-presidenciáveis Fernando Haddad (PT-SP), Ciro Gomes (PDT-CE) e Guilherme Boulos (PSOL-SP), lançou um manifesto pedindo a renúncia de Bolsonaro, o que foi endossado por Flávio Dino.

Além de assinar o documento dos esquerdistas contra Bolsonaro, o governador do Maranhão voltou a defender a tese da renúncia com mais contundência após encontro, quinta-feira (02), com o vice-presidente, general Hamilton Mourão (PRTB), no Forum dos Governadores da Amazônia Legal.

“Tivemos uma reunião com diálogo técnico, respeitoso, sensato. Claro que Mourão não é do meu campo ideológico. Mas, se Bolsonaro entregar o governo para ele, o Brasil chegará em 2022 em melhores condições”, provocou em sua conta no Twitter.

A tese vem sendo defendida também por alguns segmentos da imprensa nacional, que fazem cobertura ao enfrentamento da pandemia sempre tentando desgastar a imagem do presidente, porém apenas 37%, praticamente o eleitorado que votou contra Bolsonaro em 2018, desejam que ele renuncie, enquanto 4% não sabem o que dizer.

A pesquisa foi realizada de 1º a 3 de abril, ou seja de quarta a sexta-feira, com 1.511 entrevistados, por telefone a fim de evitar contato físico dos entrevistadores e entrevistados. A margem de erro é de três pontos para mais ou para menos.

Flávio Dino apoiou a chapa derrotada em 2018 liderada por Fernando Haddad e Manuela D´Ávila

De acordo com a pesquisa, a tese sobre a renúncia do presidente tem maior apoio entre jovens (44%), mulheres (42%), os que têm até o ensino fundamental (40%) e quem tem renda mensal acima de 10 salários mínimos (39%). Já a rejeição tem maior apelo entre quem ganha de 5 a 10 mínimos (69%), homens (65%) e quem ganha de 2 a 5 mínimos (64%).

Região – A tese da renúncia, por região, é mais bem recebida no Nordeste, onde os nove estados são governados por opositores do presidente, mas ainda assim perde para a rejeição da renúncia: 47% são a favor, enquanto 49% se dizem contrários à ideia.

Já na região Sul, apenas 28% apoiam a renúncia, enquanto no Centro-Oeste 30% são favor e no Sudeste, onde o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), lidera uma campanha contra o presidente, apenas 37% são a favor.

Ainda de acordo com a pesquisa, Jair Bolsonaro é capaz de enfrentar a pandemia de coronavírus por 62% ndos brasileiros da região Sul; 60% do Norte/Centro-Oeste; 49% do Sudeste e 47% no Nordeste (onde há um empate com os que o acham incapaz, 49%).

(Com informações da Folha de São Paulo)

Compartilhe
Aquiles Emir
Editor chefe da Revista e do site do Maranhão Hoje. Sócio-proprietário da Class Mídia – Marketing e Comunicação